Quinta-feira, 3 de Fevereiro de 2011

As Eternas Esquecidas Zonas Húmidas Minhotas

 

As  Eternas Esquecidas Zonas Húmidas Minhotas

 

A Associação de Protecção e Conservação do Ambiente – APCA, no Dia Mundial das Zonas Húmidas não pode deixar de fazer uma pequena análise da situação em que se encontram as zonas húmidas no Minho, de forma a alertar a população em geral, para a importância destes espaços naturais e os serviços de ecossistemas que prestam.

As zonas húmidas são ecossistemas de transição entre ambientes aquáticos e terrestres contribuindo de forma muito significativa para o controlo de inundações, como faixas amortecedoras e de retenção de águas excedentárias, desempenhando, ainda, um papel importante na estabilização da costa e na defesa e protecção contra as tempestades, para além de terem um papel de mitigação dos efeitos decorrentes das alterações climáticas. Constituem, ainda, um habitat fundamental para um conjunto muito diversificado de espécies animais e vegetais, entre as quais diversas espécies ameaçadas, sendo excelentes habitats como áreas de alimentação, repouso, abrigo, reprodução e invernada de aves migradoras e residentes. Salienta-se, ainda, o facto de apesar de ocuparem apenas 2% do conjunto dos continentes, serem verdadeiras maternidades da vida terrestre, aquática e aérea e responsáveis por mais de dois terços do peixe pescado na Terra.

Assinalamos, ainda, a importância das zonas húmidas nas áreas e domínios dos serviços de ecossistemas, concretamente, de suporte, regulação, produção e culturais com um valor ímpar e insubstituíveis, mas diariamente, salvo raras excepções, destruídas e ou esquecidas pelos organismos que têm a incumbência legal de as proteger e conservar. Não podemos deixar de manifestar uma grande preocupação face à degradação e desleixo, a que, de uma forma geral, se encontram votados estes bens ambientais, apesar das zonas húmidas minhotas encontrarem-se sob a égide da Convenção de Ramsar, assinada a 2 de Fevereiro de 1971, a que Portugal aderiu em 1980 e de a maior parte integrar a Rede Natura e a Reserva Ecológica Nacional.

No contexto europeu e em concreto do noroeste ibérico, a região minhota, possui um conjunto muito significativo de zonas húmidas de que salientamos pela sua dimensão e importância, a Zona Húmida de Arão (Valença), que após uma luta muito árdua na década de oitenta foi possível salvaguardar, aquando da construção do IC1; a Zona Húmida do Estuário do Minho / Sapal do Coura (Caminha), que parecendo conhecer melhores dias, depois das extracções, aterros e despejo de resíduos a que foi sujeita, se vê de novo ameaçada por construções; Zona Húmida do Sapal do Âncora (Vila Praia de Âncora), presentemente ameaçada, pela eventual rotura das  Dunas dos Caldeirões e as alterações na hidrodinâmica costeira decorrentes da construção do porto de mar; Zona Húmida da Foz do rio de Afife (Afife), degradada com resíduos da construção civil e ameaçada de novo por um projecto de urbanização com quarenta anos; Zona Húmida do Bico (Afife), uma das zonas húmidas costeiras mais bem conservadas do noroeste ibérico, mas sobre a qual pende um projecto de urbanização à longos anos, que o bom senso tem evitado, mas que recentemente parece ter ressuscitado; Zona Húmida das Lagoas de Bertiandos (Ponte de Lima), que parece ter encontrado o rumo certo, após muitas indefinições; Zona Húmida da Veiga de S. Simão (Viana do Castelo), cujos juncais, esteiros e salgados a transformam numa das zonas mais importantes da Europa, com este género de características, tardando, porém, a protecção e valorização deste espaço, progressivamente adiada, apesar das promessas com mais de uma década; Zona Húmida de Portuzelo (Viana do Castelo), pouco a pouco tem sido aterrada, com o objectivo de urbanizarem, perante o alheamento de quem de direito; Zona Húmida do Sapal da Meadela (Viana do Castelo), a eterna esquecida e depósito de lixo, que inexplicavelmente o Programa VianaPólis não incluiu, por eventualmente não ser urbanizável; Zona Húmida das Azenhas do Prior (Viana do Castelo), destruída nas suas funções naturais para instalar um “Parque da Cidade” e depois um “Parque Ecológico”, que se espera que não seja uma forma expedita de urbanizar este espaço natural, que ao longo de décadas resistiu ao apetite voraz do betão; Zona Húmida de S. Lourenço (Darque), um extraordinário sapal que tem resistido ao apetite imobiliário e portuário, mas que começa a ser visto como um “empecilho”; Zona Húmida do Rodanho (Vila Nova de Anha), uma verdadeira relíquia da evolução de uma laguna costeira e a Zona Húmida da Foz do Cávado (Esposende), que pouco a pouco tem sido aterrada com o argumento de correcção do leito do rio e obtenção de novas áreas para expansão urbana.

No Dia Mundial das Zonas Húmidas, em que apenas neste dia alguns se lembram delas, este é o retrato das zonas húmidas minhotas, cujo valor natural, económico e cultural é difícil de quantificar face aos serviços que prestam, sendo porventura das áreas naturais mais importantes do Minho, mas que salvo raras excepções, são na verdade as eternas esquecidas, apesar da sua relevância como motores primários da economia regional. A conservação das zonas húmidas minhotas não é um luxo, mas uma necessidade premente, esperando-se que os diversos organismos assumam as competências e atribuições que têm durante 365 dias e não apenas um dia por ano de forma a que estes espaços naturais, ocupem o estatuto a que têm direito, ou que pelo menos, não percam as protecções legais de que já usufruem, perante o apetite insaciável do betão e a mão criminosa com a deposição de resíduos.

 

Afife, 2 de Fevereiro de 2011                                                          

 

A Direcção da APCA

publicado por afifeambiente às 19:06
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Março 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.posts recentes

. A Floresta deve ser motiv...

. ARROJAMENTO DE DOIS CETÁC...

. ARROJAMENTO DE BALEIA EM ...

. DIA MUNDIAL DO AMBIENTE

. Associação de Protecção e...

. NOVO ARROJAMENTO DE GOLFI...

. GOLFINHO E TARTARUGA ARRO...

. ...

. O ambiente no Minho

. Agricultura, Floresta, Á...

. Quem salva o rio do Pego ...

. Quem salva o ambiente no ...

. As Eternas Esquecidas Zo...

. Poluição da água e degra...

. Polícia Marítima de Viana...

. GOLFINHO ARROJADO EM AFIF...

. Protagonismo político à c...

. Radiação Ultra Violeta El...

. Moinhos seculares de Afif...

. Qual será o futuro ambien...

. GOLFINHO E TARTARUGA ARRO...

. As comemorações devem ser...

. Quem salva os ouriços do ...

. Quem salva os seculares m...

. Polis do Litoral, mas sem...

. Cividade de Afife – Âncor...

. Estado da Mamôa da Ereira...

. DIA MUNDIAL DO AMBIENTE

. EM ABRIL QUATRO GOLFINHOS...

. O Dia da Terra e o 25 de ...

. Cegonhas brancas em Santa...

. Dia da Floresta, um mero ...

. Garças boieiras na Veiga ...

. Dia Mundial do A...

. Sr. Presidente da Repúbli...

. Prossegue a Morte de Golf...

. AGUAS RESIDUAIS DA ESTAÇÃ...

. Dia Mundial da Água e a “...

. DIA MUNDIAL DA FLORESTA

. A Criação de uma Reserva ...

. Golfinhos continuam a mor...

. Violação da Reserva Ecoló...

. MARÉ NEGRA NAS PRAIAS DE ...

.arquivos

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Junho 2013

. Março 2013

. Novembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Março 2012

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Fevereiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Novembro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Fevereiro 2009

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

.favorito

. ARROJAMENTO DE BALEIA EM ...

. DIA MUNDIAL DO AMBIENTE

. Associação de Protecção e...

. NOVO ARROJAMENTO DE GOLFI...

. GOLFINHO E TARTARUGA ARRO...

. ...

. O ambiente no Minho

. Agricultura, Floresta, Á...

. Quem salva o rio do Pego ...

. Quem salva o ambiente no ...

blogs SAPO

.subscrever feeds