Quarta-feira, 14 de Julho de 2010

Moinhos seculares de Afife em degradação

 

 

Moinhos seculares de Afife em degradação

 

A Associação de Protecção e Conservação do Ambiente – APCA, vem por este meio alertar para o estado de profunda degradação em que se encontram os moinhos de Afife, elementos ímpares da arqueologia industrial da região, com reconhecido valor nacional e além fronteiras. Trata-se dum conjunto extraordinário de moinhos, azenhas e engenhos de serrar madeira, que na bacia hidrográfica do rio de Afife ou de Cabanas e seus afluentes, durante séculos, animaram a economia local e regional, associada a uma verdadeira agricultura biológica e aos ciclos do pão e do linho, assente nos fertilizantes naturais sargaço e mato (estrume). Salienta-se que estes valores patrimoniais inseriam-se numa cadeia agrícola fascinante, porventura única, a que aparece associada uma prática agrícola biológica, secular, transmitida de geração em geração e curiosamente base de um verdadeiro desenvolvimento sustentável, com que muito temos a apreender nesta era tecnológica. É pois neste contexto e quando tantos falam de património, desenvolvimento sustentável e agricultura biológica, que é lamentável constatar-se a atitude de desleixo de quem tem a obrigação de proteger, estimular e incentivar a salvaguarda destes bens patrimoniais ímpares.

O aproveitamento secular da energia motriz do rio de Afife, verdadeiro motor da economia local, desde pelo menos o século XVI, teve o seu apogeu na década de cinquenta, do século passado, com o funcionamento de montante para jusante, de três azenhas copeiras, cinco engenhos de serrar madeira, vinte e oito moinhos de rodízio e, ainda, as ruínas do moinho Velho do Fial e de umas paredes em granito, em pleno sistema dunar, atribuídas também a um antigo moinho. Salienta-se que alguns destes moinhos, serão porventura dos mais antigos do país, dado encontrarem-se descritos numa relação de bens do Mosteiro de S. João de Cabanas do inicio do século XVI. Aliás, recentemente, reputados investigadores, através de outras fontes documentais, salientam, também, a antiguidade de alguns dos moinhos de Afife, aludindo, em concreto, aos moinhos situados no lugar do Loureiro, cobertos de vegetação infestante.

Relembra-se que no inicio da década de oitenta, do século passado, o Vereador da Cultura de então, Dr. Carlos Baptista e, posteriormente, o Inspector Maurício de Sousa deram corpo a um trabalho de recuperação de alguns destes moinhos, em articulação, com o Ministério da Cultura e uma associação local, todavia esse esforço louvável perdeu-se, face a novas orientações políticas municipais. Constata-se, infelizmente, e apesar dos alertas constantes desta associação, entre outras intervenções, que o desleixo, nos últimos 16 anos, a que este conjunto patrimonial ímpar da arqueologia industrial minhota foi votado, por incúria ou outros motivos, conduziram ao estado calamitoso em que se encontram estes bens patrimoniais.

A Associação de Protecção e Conservação do Ambiente – APCA, vem por este meio alertar para o estado de profunda degradação em que se encontram os moinhos de Afife, elementos ímpares da arqueologia industrial da região, com reconhecido valor nacional e além fronteiras. Trata-se dum conjunto extraordinário de moinhos, azenhas e engenhos de serrar madeira, que na bacia hidrográfica do rio de Afife ou de Cabanas e seus afluentes, durante séculos, animaram a economia local e regional, associada a uma verdadeira agricultura biológica e aos ciclos do pão e do linho, assente nos fertilizantes naturais sargaço e mato (estrume). Salienta-se que estes valores patrimoniais inseriam-se numa cadeia agrícola fascinante, porventura única, a que aparece associada uma prática agrícola biológica, secular, transmitida de geração em geração e curiosamente base de um verdadeiro desenvolvimento sustentável, com que muito temos a apreender nesta era tecnológica. É pois neste contexto e quando tantos falam de património, desenvolvimento sustentável e agricultura biológica, que é lamentável constatar-se a atitude de desleixo de quem tem a obrigação de proteger, estimular e incentivar a salvaguarda destes bens patrimoniais ímpares.

O aproveitamento secular da energia motriz do rio de Afife, verdadeiro motor da economia local, desde pelo menos o século XVI, teve o seu apogeu na década de cinquenta, do século passado, com o funcionamento de montante para jusante, de três azenhas copeiras, cinco engenhos de serrar madeira, vinte e oito moinhos de rodízio e, ainda, as ruínas do moinho Velho do Fial e de umas paredes em granito, em pleno sistema dunar, atribuídas também a um antigo moinho. Salienta-se que alguns destes moinhos, serão porventura dos mais antigos do país, dado encontrarem-se descritos numa relação de bens do Mosteiro de S. João de Cabanas do inicio do século XVI. Aliás, recentemente, reputados investigadores, através de outras fontes documentais, salientam, também, a antiguidade de alguns dos moinhos de Afife, aludindo, em concreto, aos moinhos situados no lugar do Loureiro, cobertos de vegetação infestante.

Relembra-se que no inicio da década de oitenta, do século passado, o Vereador da Cultura de então, Dr. Carlos Baptista e, posteriormente, o Inspector Maurício de Sousa deram corpo a um trabalho de recuperação de alguns destes moinhos, em articulação, com o Ministério da Cultura e uma associação local, todavia esse esforço louvável perdeu-se, face a novas orientações políticas municipais. Constata-se, infelizmente, e apesar dos alertas constantes desta associação, entre outras intervenções, que o desleixo, nos últimos 16 anos, a que este conjunto patrimonial ímpar da arqueologia industrial minhota foi votado, por incúria ou outros motivos, conduziram ao estado calamitoso em que se encontram estes bens patrimoniais.

Afife, 14 de Julho de 2010                                                           


A Direcção da APCA

 

 

 

 

 

publicado por afifeambiente às 19:13
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Março 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.posts recentes

. A Floresta deve ser motiv...

. ARROJAMENTO DE DOIS CETÁC...

. ARROJAMENTO DE BALEIA EM ...

. DIA MUNDIAL DO AMBIENTE

. Associação de Protecção e...

. NOVO ARROJAMENTO DE GOLFI...

. GOLFINHO E TARTARUGA ARRO...

. ...

. O ambiente no Minho

. Agricultura, Floresta, Á...

. Quem salva o rio do Pego ...

. Quem salva o ambiente no ...

. As Eternas Esquecidas Zo...

. Poluição da água e degra...

. Polícia Marítima de Viana...

. GOLFINHO ARROJADO EM AFIF...

. Protagonismo político à c...

. Radiação Ultra Violeta El...

. Moinhos seculares de Afif...

. Qual será o futuro ambien...

. GOLFINHO E TARTARUGA ARRO...

. As comemorações devem ser...

. Quem salva os ouriços do ...

. Quem salva os seculares m...

. Polis do Litoral, mas sem...

. Cividade de Afife – Âncor...

. Estado da Mamôa da Ereira...

. DIA MUNDIAL DO AMBIENTE

. EM ABRIL QUATRO GOLFINHOS...

. O Dia da Terra e o 25 de ...

. Cegonhas brancas em Santa...

. Dia da Floresta, um mero ...

. Garças boieiras na Veiga ...

. Dia Mundial do A...

. Sr. Presidente da Repúbli...

. Prossegue a Morte de Golf...

. AGUAS RESIDUAIS DA ESTAÇÃ...

. Dia Mundial da Água e a “...

. DIA MUNDIAL DA FLORESTA

. A Criação de uma Reserva ...

. Golfinhos continuam a mor...

. Violação da Reserva Ecoló...

. MARÉ NEGRA NAS PRAIAS DE ...

.arquivos

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Junho 2013

. Março 2013

. Novembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Março 2012

. Agosto 2011

. Junho 2011

. Fevereiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Novembro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Fevereiro 2009

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

.favorito

. ARROJAMENTO DE BALEIA EM ...

. DIA MUNDIAL DO AMBIENTE

. Associação de Protecção e...

. NOVO ARROJAMENTO DE GOLFI...

. GOLFINHO E TARTARUGA ARRO...

. ...

. O ambiente no Minho

. Agricultura, Floresta, Á...

. Quem salva o rio do Pego ...

. Quem salva o ambiente no ...

blogs SAPO

.subscrever feeds